O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXIX 848

número for maior. Nas pequenas reuniões, conhece-se melhor, se está mais seguro dos elementos que aí se introduzem; o silêncio e o recolhimento são mais fáceis e tudo se passa como em família. As grandes assembléias excluem a intimidade pela variedade dos elementos dos quais se compõem; exigem locais especiais, recursos pecuniários e um aparelho administrativo inútil nos pequenos grupos; a divergência de caracteres, de idéias, de opiniões aí se desenha melhor, e oferece aos Espíritos trapalhões mais facilidade para semearem a discórdia. Quanto mais a reunião é numerosa, tanto mais é difícil contentar todo o mundo; cada um gostaria que os trabalhos fossem dirigidos ao seu gosto, que se ocupassem, de preferência, com os assuntos que mais lhe interessam; alguns crêem que o título de sócio lhes dá o direito de imporem sua maneira de ver; daí as divergências, uma causa de mal-estar que traz, cedo ou tarde, a desunião, depois a dissolução, sorte de todas as sociedades da qual sejam o objeto. As pequenas sessões não estão sujeitas às mesmas flutuações; a queda de uma grande sociedade seria um revés aparente para a causa do Espiritismo, e seus inimigos não deixariam de se prevalecer disso; a dissolução de um pequeno grupo passa desapercebida e, aliás, se um se dispersa, vinte outros se formam ao lado; ora, vinte grupos, de quinze a vinte pessoas, obterão mais e farão mais pela propagação, do que uma assembléia de trezentas a quatrocentas pessoas.

Dir-se-á, sem dúvida, que os membros de uma sociedade que agissem como acabamos de dizer, não seriam verdadeiros espíritas, uma vez que o primeiro dever que a Doutrina impõe, é a caridade e a benevolência. Isso é perfeitamente justo; também aqueles que pensam assim, são espíritas antes de nome do que de fato; não pertencem, seguramente, à terceira categoria (ver nº 28); mas quem diz que esses sejam mesmo espíritas quaisquer? Aqui se apresenta uma consideração que não deixa de ter gravidade.

336. Não nos esqueçamos de que o Espiritismo tem inimigos interessados em lhe fazer frente, e que vêem esses sucessos com despeito; os mais perigosos não são os que