O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXIX 857

RIVALIDADE ENTRE AS SOCIEDADES

348. As reuniões, que se ocupem exclusivamente das comunicações inteligentes e as que se dedicam ao estudo das manifestações físicas, têm cada uma sua missão; nem umas nem outras estariam no verdadeiro espírito do Espiritismo, se se olhassem mal, e aquela que atirasse a primeira pedra na outra, provaria só com isso a má influência que a domina; todas devem concorrer, embora por caminhos diferentes, ao objetivo comum que é a procura e a propagação da verdade; seu antagonismo, que não seria senão um efeito do orgulho superexcitado, fornecendo armas aos detratores, não poderia senão prejudicar a causa que pretendem defender.

349. Estas últimas reflexões se aplicam igualmente a todos os grupos que possam diferir sobre alguns pontos da Doutrina. Como dissemos no capítulo das Contradições, essas divergências não incidem, na maior parte do tempo, senão sobre os acessórios, freqüentemente mesmo sobre simples palavras; haveria, pois, puerilidade permanecer à parte, porque não se pensa exatamente do mesmo modo. Haveria pior do que isso, se os diferentes grupos ou sociedades de uma cidade se olhassem com inveja. Compreende-se a inveja entre pessoas que se fazem concorrência, e podem chegar a um prejuízo material; mas quando não há especulação, a inveja não pode ser senão uma mesquinha rivalidade do amor-próprio. Como, em definitivo, não há sociedade que possa reunir em seu seio todos os adeptos, as que estão animadas de um verdadeiro desejo de propagar a verdade, cujo objetivo é unicamente moral, devem ver como prazer multiplicarem-se as reuniões, e, se houver concorrência entre elas, deve ser para que façam mais o bem. As que pretendam estar com a verdade, com exclusão das outras, devem prová-lo tomando por divisa: Amor e caridade; porque tal é a de todo verdadeiro espírita. Querem se prevalecer da superioridade dos Espíritos que as assistem? Que o provem pela superioridade dos ensinamentos que recebem, e pela aplicação que fazem deles em si mesmas: aí está um cri-