O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXXI 876

seus iguais. Na comunicação acima, não constatamos senão uma coisa, que é a superioridade incontestável da linguagem e dos pensamentos, deixando a cada um o cuidado de julgar se aquele cujo nome leva não a desmentiria.

Sobre os Médiuns

X

Todos os homens são médiuns, todos têm um Espírito que os dirigem para o bem, quando sabem escutá-lo. Agora, que uns se comuniquem diretamente com ele por uma mediunidade particular, que outros não o ouçam senão pela voz do coração e da inteligência, pouco importa, não deixa de ser seu Espírito familiar que os aconselha. Chamai-o espírito, razão, inteligência, é sempre uma voz que responde à vossa alma e vos dita boas palavras; apenas não o compreendeis sempre. Nem todos sabem agir segundo os conselhos da razão, não dessa razão que se arrasta e se rebaixa, antes de marchar, essa razão que se perde no meio dos interesses materiais e grosseiros, mas essa razão que eleva o homem acima de si mesmo, que o transporta para regiões desconhecidas; chama sagrada que inspira o artista e o poeta, pensamento divino que eleva o filósofo, impulso que arrebata os indivíduos e os povos, razão que o vulgo não pode compreender, mas que eleva o homem e o aproxima de Deus, mais do que nenhuma outra criatura, inteligência que sabe conduzi-lo do conhecido para o desconhecido, e o faz executar as mais sublimes coisas. Escutai, pois, essa voz interior, esse bom gênio que vos fala sem cessar e chegareis progressivamente a ouvir vosso anjo guardião que vos estende as mãos do alto do céu; eu vos repito: a voz íntima que fala ao coração é a dos bons Espíritos, e é deste ponto de vista que todos os homens são médiuns.

Channing.

XI

O dom da mediunidade é tão antigo quanto o mun-