O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXXI 878

homens; as felicitações, as adulações: eis seu escolho. Esses mesmos médiuns, que deveriam sempre ter presente na memória sua incapacidade primitiva, o esquecem; fazem mais: o que não devem senão a Deus, atribuem ao seu próprio mérito. Que ocorre então? Os bons Espíritos os abandonam; tornam-se o joguete dos maus, e não têm mais bússola para se guiarem; quanto mais se tornam capazes, mais são impelidos a se atribuírem um mérito que não lhes pertence, até que, enfim, Deus os pune em lhes retirando uma faculdade que não pode mais do que lhes ser fatal.

Não saberia mais vos lembrar de vos recomendarem ao vosso anjo guardião, para que vos ajude a estarem sempre em guarda contra esse mais cruel inimigo que é o orgulho. Lembrai-vos bem que tendes a felicidade de serem os intérpretes entre os Espíritos e os homens, que, sem o apoio do vosso divino Mestre, sereis punidos mais severamente, porque fostes mais favorecidos.

Espero que esta comunicação produza seus frutos, e desejo que possa ajudar os médiuns a se colocarem em guarda contra esse escolho onde viriam a se destruir; esse escolho, eu vos disse, é o orgulho.

Joana D’Arc.

XIII

Quando quiserdes receber comunicações dos bons Espíritos, importa vos preparardes, para esse favor, pelo recolhimento, por sadias intenções e pelo desejo de fazer o bem, tendo em vista o progresso geral; porque lembrai-vos que o egoísmo é uma causa de atraso a todo adiantamento. Lembrai-vos de que se Deus permite a alguns dentre vós receberem a inspiração de certos dos seus filhos que, pela sua conduta, souberam merecer a felicidade de compreenderem a sua bondade infinita, é porque quer, pela vossa solicitação e em vista das vossas boas intenções, vos dar os meios de avançar em seu caminho; assim, pois, médiuns, aproveitai essa faculdade que