O LIVRO DOS MÉDIUNS - SEGUNDA PARTE - CAPÍTULO XXXI 886

interesse ou de amor-próprio, e que não estão guiados pelo amor da verdade. Asseguro-vos que se essas pessoas estivessem entre vós, aí semeariam logo a perturbação e a desunião. O verdadeiro Espiritismo tem por divisa benevolência e caridade, exclui toda outra rivalidade que não seja a do bem que se pode fazer; todos os grupos que se inscreveram sob a sua bandeira, poderão se estender a mão como bons vizinhos, que não são menos amigos, embora não habitem a mesma casa. Os que pretendem ter os melhores Espíritos por guia devem prová-lo, mostrando os melhores sentimentos; que haja, pois, entre eles luta, mas luta de grandeza dalma, de abnegação, de bondade e de humildade; aquele que lançasse a pedra em outro, provaria só por isso que é solicitado pelos maus Espíritos. A natureza dos sentimentos que dois homens manifestem a respeito um do outro, é a pedra de toque que faz conhecer a natureza dos Espíritos que os assistem.

Fénelon.

XXIII

O silêncio e o recolhimento são as condições essenciais para todas as comunicações sérias. Jamais obteríeis isso daqueles que não fossem atraídos para as vossas reuniões, senão pela curiosidade; convidai, pois, os curiosos para irem se divertir em outro lugar, porque sua distração seria uma causa de perturbação.

Não deveis tolerar nenhuma conversação quando os Espíritos são perguntados. Tendes, às vezes, comunicações que requerem réplicas sérias da vossa parte, e respostas não menos sérias da parte dos Espíritos evocados que experimentam, crede-o bem, desprazer com o cochicho contínuo de certos assistentes; daí nada de completo nem de verdadeiramente sério; o médium que escreve, experimenta, ele também, as distrações muito nocivas ao seu ministério.

São Luís.