O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO II 952

Somente aquele que considera o futuro, não atribui ao presente senão uma importância relativa, e se consola facilmente com seus fracassos pensando na destinação que o espera.

Deus não condena, pois, os prazeres terrestres, mas o abuso desses prazeres em prejuízo das coisas da alma; é ainda contra esse abuso que estão prevenidos aqueles que se aplicam estas palavras de Jesus: "Meu reino não é deste mundo."

Aquele que se identifica com a vida futura é semelhante a um homem rico que perde uma pequena soma sem com isso se perturbar; aquele que concentra seus pensamentos sobre a vida terrestre é como um homem pobre que perde tudo o que possui e se desespera.

7. O Espiritismo expande o pensamento e lhe abre novos horizontes; em lugar dessa visão estreita e mesquinha que o concentra sobre a vida presente, que faz do instante que passa sobre a Terra a única e frágil base do futuro eterno, ele mostra que essa vida não é senão um elo no conjunto harmonioso e grandioso da obra do Criador; mostra a solidariedade que liga todas as existências do mesmo ser, todos os seres de um mesmo mundo e os seres de todos os mundos; dá, assim, uma base e uma razão de ser à fraternidade universal, enquanto que a doutrina da criação da alma no momento do nascimento de cada corpo, torna todos os seres estranhos uns aos outros. Essa solidariedade das partes de um mesmo todo explica o que é inexplicável, se se considerar apenas uma parte. É esse conjunto que, ao tempo do Cristo, os homens não teriam compreendido e, por isso, ele reservou o conhecimento para outros tempos.

INSTRUÇÕES DOS ESPÍRITOS

UMA REALEZA TERRESTRE

8. Quem melhor do que eu poderá compreender a verdade destas palavras de Nosso Senhor: Meu reino não é deste mundo? O orgulho me perdeu sobre a Terra; quem, pois, compreenderia a insignificância dos reinos deste mundo, se eu não o compreendesse? Que carreguei comigo da minha realeza terrestre? Nada, absolutamente nada; e como para tornar