O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO II 953

a lição mais terrível, ela não me seguiu até o túmulo! Rainha eu fui entre os homens, rainha eu acreditava entrar no reino dos céus. Que desilusão! Que humilhação, quando, em lugar de ser ali recebida como soberana, vi acima de mim, mas bem acima, homens que eu acreditava bem pequenos e que desprezei porque não eram de um sangue nobre! Oh! então eu compreendi a esterilidade das honras e das grandezas que se procura com tanta avidez sobre a Terra!

Para se preparar um lugar neste reino, é preciso a abnegação, a humildade, a caridade em toda a sua prática celeste, a benevolência para com todos; não se vos pergunta o que fostes, que posição ocupastes, mas o bem que haveis feito, as lágrimas que enxugaste.

Oh! Jesus! disseste que teu reino não era deste mundo, porque é preciso sofrer para alcançar o céu, e os degraus do trono não nos aproximam dele; são os caminhos mais penosos da vida que a ele conduzem; procurai, pois, seu caminho através das sarças e dos espinhos, e não entre as flores.

Os homens correm atrás dos bens terrestres, como se os devessem guardar para sempre; mas aqui não há mais ilusões; eles se apercebem logo de que não agarraram senão uma sombra, e negligenciaram os únicos bens sólidos e duráveis, os únicos que lhes são de proveito na morada celeste, os únicos que podem a ela lhes dar acesso.

Tende piedade daqueles que não ganharam o reino dos céus; ajudai-os com as vossas preces, porque a prece aproxima o homem do Altíssimo, é o traço de união entre o céu e a Terra; não o esqueçais. (UMA RAINHA DE FRANÇA, Havre, 1863).