O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO III 960

habitais? A superioridade da inteligência, num grande número dos seus habitantes, indica que ela não é um mundo primitivo, destinado à encarnação de Espíritos apenas saídos das mãos do Criador. As qualidades inatas que trazem consigo são a prova de que já viveram, e que realizaram certo progresso; mas também os vícios numerosos, aos quais são inclinados, são indícios de uma grande imperfeição moral; por isso, Deus os colocou numa Terra ingrata, para aí expiarem suas faltas pelo trabalho penoso e pelas misérias da vida, até que tenham mérito de irem para um mundo mais feliz.

14. Entretanto, todos os Espíritos encarnados sobre a Terra não são para aí enviados em expiação. As raças que chamais selvagens são Espíritos apenas saídos da infância, e que aí estão, por assim dizer, em educação, e se desenvolvem ao contato de Espíritos mais avançados. Vêm, em seguida, as raças semi-civilizadas, formadas desses mesmos Espíritos em progresso. Estão aí, de alguma sorte, as raças indígenas da Terra, que cresceram, pouco a pouco, depois de longos períodos seculares, e das quais algumas puderam atingir o aperfeiçoamento intelectual de povos mais esclarecidos.

Os Espíritos em expiação aí são, se assim se pode exprimir, estrangeiros; eles já viveram sobre outros mundos, de onde foram excluídos em razão da sua obstinação no mal, e porque eram uma causa de perturbação para os bons; foram relegados, por um tempo, entre os Espíritos mais atrasados, e que têm por missão fazer avançar, porque trouxeram consigo sua inteligência desenvolvida e o germe dos conhecimentos adquiridos; por isso, os Espíritos punidos se encontram entre as raças mais inteligentes; são aquelas também para as quais as misérias da vida têm mais amargura, porque há nelas mais sensibilidade, e sentem mais o choque que as raças primitivas, cujo senso moral é mais obtuso.

15. A Terra fornece, pois, um dos tipos de mundos expiatórios, cujas variedades são infinitas, mas que têm por caráter comum servir de lugar de exílio aos Espíritos rebeldes à lei de Deus. Aí esses Espíritos têm que lutar, ao mesmo tempo, contra a perversidade dos homens e contra a inclemência da Natureza, duplo e penoso trabalho que desenvolve, a uma só vez, as qualidades do coração e as da inteli-