O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO - CAPÍTULO V 999

trário: Vejamos que meios nosso Pai misericordioso colocou ao meu alcance para abrandar o sofrimento de meu irmão. Vejamos se minhas consolações morais, meu apoio material, meus conselhos, não poderão ajudá-lo a vencer essa prova com mais força, paciência e resignação. Vejamos mesmo se Deus não colocou em minhas mãos o meio de fazer cessar esse sofrimento; se não me foi dado, como prova também, como expiação talvez, deter o mal e substituí-lo pela paz.

Ajudai-vos sempre, pois, em vossas provas respectivas, e não vos considereis jamais instrumentos de tortura; esse pensamento deve revoltar todo homem de coração, sobretudo, ao espírita, porque o espírita, melhor que todos os outros, deve entender a extensão infinita da bondade de Deus. O espírita deve pensar que sua vida inteira deve ser um ato de amor e de devotamento; que qualquer coisa que faça para contrariar as decisões do Senhor, sua justiça terá seu curso. Ele pode, pois, sem medo, fazer todos os esforços para abrandar a amargura da expiação, mas é só Deus que pode detê-la ou prolongá-la segundo julgue necessário.

Não haveria um grande orgulho da parte do homem, em se crer no direito de revolver por assim dizer, a arma na ferida? de aumentar a dose de veneno no peito daquele que sofre, sob o pretexto de que tal é sua expiação? Oh! considerai-vos sempre como um instrumento escolhido para fazê-la cessar. Resumamos assim: estais todos na Terra para expiar; mas todos, sem exceção, deveis empregar todos os vossos esforços para abrandar a expiação de vossos irmãos, segundo a lei de amor e de caridade. (BERNARDIN, Espírito protetor, Bordéus, 1863).

28. Um homem está agonizante, vítima de cruéis sofrimentos; sabe-se que seu estado é desesperador; é permitido poupar-lhe alguns instantes de angústia, apressando-lhe o fim?

Quem, pois, vos daria o direito de prejulgar os desígnios de Deus? Não pode ele conduzir um homem à borda do fosso para daí o retirar, a fim de fazê-lo retornar a si mesmo e de o conduzir a outros pensamentos? Em qualquer extremo que esteja um moribundo, ninguém pode dizer com certeza que sua última hora chegou. A Ciência jamais se enganou em suas previsões?